No início de 1550 os padres jesuítas que desbravaram o Brasil prucurando catequizar os índios, descobriram que na região de São Bernado do Campo havia índios canibais. Seu fundador foi João Ramalho, que se casou com a índia Bartira, filha do cacique Tibiriçá, dos índios guaianases que posteriormente tornou-se alcaide. A oficialização da cidade se deu em 8 de abril de 1553, quando foi erguido o pelourinho da vila, denominada Santo André da Borda do Campo. Essa fase teve fim no ano de 1560, quando seus habitantes foram transferidos para São Paulo de Piratininga.


Desde a década de 1950, o município de São Bernardo do Campo tem sua economia baseada na indústria automobilística. Na década de 1990, a economia da região teve uma grande diversificação, o que elevou a importância do setor de serviços na cidade. O comércio é variado e encontrado em todos os bairros, destacando o tradicional comércio da Rua Marechal Deodoro e adjacências, o conhecido nacionalmente Centro Moveleiro da Jurubatuba, que dá à cidade a denominação de Capital do Móvel. A construção civil e a reforma urbana foram impulsionadas em 2008, com a construção do trecho sul do Rodoanel, um anel viário da Região Metropolitana de São Paulo.


A Zona rural de São Bernardo do Campo corresponde praticamente a região coberta pela Serra do Mar. Localizada ao sul da cidade, ela é separada da área urbana pela represa Billings.